Tópicos de vida e obra de Weber

Escrito por João Borba, set. De 2009
(refeita em maio de 2010, e novamente em julho de 2014)

 

sumário


Quais as principais influências de Weber?

Weber é mundialmente conhecido como sociólogo, mas tem importantes teorias também como historiador e economista. Formado em Direito, e bom conhecedor de filosofia. Escreveu sobre muitos e variados assuntos. Sua obra é influenciada principalmente pelos pensamentos de Nietzsche e Marx, dirigindo críticas principalmente ao segundo dos dois, mas aproveitando os estudos de ambos.

É possível detectar nele também uma clara influência da filosofia de Kant. Como professor, Weber foi colega do sociólogo Georg Simmel, e os dois tinham bastante proximidade do ponto de vista de suas teorias. Simmel, embora tenha sido ainda mais influenciado por Nietzsche do que o próprio Weber, foi um dos colaboradores da revista Estudos kantianos e da Sociedade Kant — ambos fundados por Hans Vaihinger.

Vaihinger foi filósofo que, baseado em uma interpretação livre de Kant, acabou desenvolvendo uma linha de pensamento próxima da de Nietzsche, mas com maior valorização da razão e do raciocínio hipotético (mais precisamente, do uso da ficção em geral como ferramenta intelectualmemte útil). Pode ser uma coincidência ou não, mas nota-se claramente que a influência de Kant sobre Weber apresenta alguns traços desse tipo de interpretação proposto por Vaihinger.

sumário↑

 

De que maneira Weber incorpora as influências de Marx e Nietzsche?

Sabemos que Marx e Nietzsche estão entre os pensadores mais críticos (e radicais em suas críticas) em relação às sociedades contemporâneas, mas Weber construiu a partir deles algo bem mais conservador e moderado, embora não seja possível reinterpretar Weber de maneira mais crítica e radical (como foi feito por exemplo no Brasil por Maurício Tragtenberg).

A Teoria Weberiana aceita de Marx a idéia de que a estrutura econômica de uma sociedade precisa ser estudada a fundo se quisermos compreender essa sociedade, mas não aceita a idéia de Marx de que todo o resto ocorre na sociedade (por exemplo: a Religião) depende da economia. Pelo contrário, segundo Weber, os valores religiosos e morais de uma sociedade têm uma influência importante na própria economia dessa sociedade.

É por influência da filosofia de Nietzsche que Weber acaba valorizando tanto as questões morais e religiosas. A principal obra de Weber, A ética protestante e o espírito do capitalismo, examina de que modo os valores morais das religiões protestantes ou similares que aparecem depois da Idade Média acabaram ajudando o Capitalista a se desenvolver.

sumário↑

Isso aconteceu porque tais Religiões consideraram o trabalho individual como forma de se glorificar a Deus, consideravam o lucro pelo trabalho duro e honesto como recompensa dada por Deus, consideravam a salvação como uma questão individual, valorizando o individualismo, e diziam que Deus permitia o homem utilizar a razão para aperfeiçoar o trabalho.

Assim como Marx, Weber valoriza o planejamento racional da economia e da sociedade em geral. Mas enquanto Marx acha que esse planejamento só será possível quando uma maioria de operários tomar o poder e estabilizar os bens de produção (terras, fábricas), Weber procura mostrar que o próprio planejamento racional é uma idéia que nasce e se desenvolve junto com o capitalismo e não contra ele. E também que a própria valorização da razão e do planejamento nasce, no fundo, de algo bastante irracional, nasce de certos valores morais (Nietzsche concordaria com isso).

Segundo Weber, os valores morais do protestantismo levaria uma organização mais racional do trabalho. A idéia "purificar" as coisas espirituais evitando misturá-los com as coisas materiais, por exemplo, já que o trabalho é considerado "sagrado", leva à criação de "cargas" e "funções" puramente formais, como formas "ocas" a serem preenchidas por pessoas, de modo que o corpo e a personalidade (que são deste mundo material) não afetem tanto o trabalho.

Com base nesse mesmo modo de pensar, Weber cria o seu famoso método dos "tipos ideais" como uma ferramenta para ajudar-nos na compreensão das realidades sociais.

O que são esses "tipos" ideais? São idéias "depuradas" das realidades observadas, isto é, criadas por uma espécie de "peneira" que seleciona só alguns traços dessas realidades, e que podem ser misturadas umas com as outras. Mas essas idéias "puras" (que não são reais) podem ser usadas para entendermos melhor a realidade, que é uma mistura desses "tipos ideais", do qual falaremos mais adiante.

sumário↑

 

Quais são as principais obras de Weber?

Os livros considerados mais importantes de Weber são três:

  • Economia e sociedade — obra extensa, de dois grandes volumes, na qual se destacam os estudos de Weber sobre as diferentes formas de dominação e organização política;
  • Ciência e política duas vocações — pequeno volume no qual ele examina as relações entre a atividade política e a investigação científica, diferenciando-as e colocando a segunda a serviço da primeira, isto é, a ciência como atividade não-política que serve fonte de fornecimento de informações necessárias ou úteis para a ação política; e
  • A ética protestante e o espírito do capitalismo — o mais famoso dos três livros, onde Weber examina o processo histórico de nascimento do Capitalismo como forma de organização dominante a partir do fim da Idade Média, e mostra a importância dos valores morais protestantes como base de um modo de comportamento social que favoreceu fortemente o desenvolvimento desse tipo de organização.

sumário↑

 

Weber destaca (como Kant) a limitação do conhecimento humano?

Assim como Kant, Weber procura destacar sempre o fato de que os conhecimentos humanos são limitados. O modo como faz isso muitas vezes se aproxima do kantiano, ou da leitura que Vaihinger faz de Kant, valorizando o uso de hipóteses ou ideias propositalmente fantasiosas, mas metodologicamente úteis. Mas em alguns aspectos, esse seu destaque da limitação dos conhecimentos acaba sendo feito à sua própria maneira.

É importante notar que justamente por isso é muito difícil compreender com clareza o conjunto todo do pensamento de Max Weber. Difícil por exemplo porque ele mesmo diz que não é possível formar uma teoria tão completa, e tão perfeita, que possa dar conta de explicar de uma vez só tudo o que observamos nas sociedades humanas.

Este é um ponto em que as limitações do conhecimento apontadas por ele não são exatamente as mesmas apontadas pelo kantismo: as explicações que nossas teorias oferecem a respeito das coisas, para Weber, são sempre parciais, nunca completas.

Ele também não acha possível encontrar uma única noção central que possa servir sozinha para entendermos, a partir dela, tudo o que encontramos em uma sociedade. Nem uma razão que explique sozinha todas as situações diferentes que encontramos em uma mesma sociedade.

sumário↑

Isso quer dizer que não se consegue encontrar, nos textos de Weber, alguma idéia ou algumas poucas idéias principais que sirvam para entendermos como funciona o conjunto todo do pensamento dele. O que encontramos é uma porção de estudos separados, cada um sobre um assunto diferente na área de Sociologia, e Weber estuda cada um desses assuntos de maneira diferente.

Quem observa bem isso são os pensadores da Escola de Frankfurt, em sua críticas a Weber — especialmente Max Horkheimer, em seu primeiro capítulo do livro Eclipse da razão, ou Crítica da razão instrumental.

Um ponto em que podemos encontrar algo de kantiano (ou talvez vaihingeriano) no modo como Weber demarca os limites do conhecimento está no fato de que ele não considera reais as construções mentais que utilizamos para estudar as coisas.

Classificações e categorias gerais que utilizamos para entender as coisas estão na nossa mente, não na realidade externa, porque as coisas do mundo que estão aí (fora da nossa mente) para serem examinadas por nós, são únicas, nenhuma delas é realmente igual à outra. Mas precisamos realmente dessas categorias gerais — que Weber chama de tipos ideais — para podermos entender melhor essas coisas.

sumário↑

Por outro lado, Weber não se satisfaz com a simples classificação das coisas utilizando esses tipos ideais, e é por isso que prefere chamá-los de "tipos", e não de "categorias" ou "classes". Esses "tipos" são ideias gerais das quais as coisas podem se aproximar mais (sendo mais parecidas com eles) ou se aproximar menos.

Por exemplo, poderíamos pensar em tipos gerais de pessoas. O tipo cerebral, o tipo emocional, o tipo observador, o tipo mais ligado ao corpo etc. Ninguém será idêntico a este ou a aquele tipo, porque os tipos são invenções, são algo apenas ideal e não real, são ideias que estão nas nossa mente, nada mais que isso.

Cada pessoa real que viermos a examinar será sempre uma combinação muito particular e única desses diferentes tipos, às vezes mais marcada por um ou dois deles do que pelos outros, mas nunca exatamente pelos mesmos tipos, exatamente do mesmo modo, e exatamente na mesma medida em cada um deles.

Mas o que importa, para Weber, é compreender cada coisa naquilo que ela tem de único, naquilo em que ela é diferente de outras coisas, e não igual a outras coisas. Nisto ele pode ter já alguma influência de Nietzsche.

Por essa valorização do que as coisas têm de único e diferente, cada coisa deve ser comparada com vários e diferentes "tipos ideiais", de modo que possamos compreender em quê e o quanto ela se aproxima de cada um desses tipos.

sumário↑

A composição das diferenças e semelhanças uma coisa apresenta em relação aos diferentes tipos ideais é o que vai nos oferecer alguma compreensão do que essa coisa tem de unicamente seu, porque não existem nunca duas combosições dessas que sejam iguais. Quando comparamos as coisas com os seus tipos ideais, cada coisa se aproxima e se afasta dos tipos ideais de um modo diferente e que é todo seu.

Esses tipos ideais de Weber são muito próximos do que Vaihinger, interpretando kant à sua maneira nessa mesma época, chama de ficções úteis para o conhecimento.

Weber diz sempre que devemos evitar acreditar demais em nossas teorias, diz que devemos sempre deixar as teorias em aberto para serem novamente investigadas e corrigidas ou completadas com novas descobertas, e que o melhor é, além disso, sempre deixarmos bem claro quais são os limites das nossas teorias, o que é que nós ainda não conseguimos explicar com elas.

Segundo ele, o máximo que conseguimos é encontrar algumas das várias razões que podem ajudar a explicar o que encontramos em uma sociedade estudada, nunca todas. Ou então podemo encontrar uma razão bastante importante, mas nunca a única. Isso principalmente porque, segundo ele, nunca estamos realmente descobrindo toda a verdade como ela é, e sim apenas construindo uma teoria sobre uma parte da verdade, e essa teoria explica apenas como provavelmente essa parte da verdade deve ser. Não há como termos certeza de estarmos completamente certos.

sumário↑

 

Por que Weber acha que devemos evitar acreditar demais em nossas teorias?

Weber vai ainda mais longe nisso: diz que se acreditarmos demais nas nossas teorias a respeito das coisas, podemos acabar não percebendo alguns erros sérios, ou deixando de examinar outras teorias que talvez explicassem aquela questão tão bem quanto a nossa, ou até melhor.

Para evitar esse tipo de coisa, o que ele propõe é que os sociólogos, ao invés de tentarem encontrar uma teoria inteira que responda tudo sobre o modo como as sociedades se organizam, procurem apenas estudar uma questão sociológica específica, tentando encontrar alguma razão importante que possa ajudar a explicar como as coisas são em uma sociedade, mas que não exclua outras razões possíveis.

O próprio Weber é autor de vários estudos desse tipo.

O mais famoso é o livro A ética protestante e o espírito do capitalismo, no qual procura demonstrar que uma das principais razões que explicam como o Capitalismo se tornou dominante depois da Idade média, foi a ética da Igreja Protestante, que condiz com os valores do capitalismo emergente na época.

Trata-se de uma razão detectada por Weber, não Da razão, única correta e que explica tudo excluindo outras razões. O trabalho do intelectual é sempre uma contribuição entre outras. é sempre parcial e não pode excluir outras contribuições diferentes da sua.

sumário↑

 

De que modo a ética protestante contribui para o capitalismo segundo Weber?

Segundo Weber, o principal fator pelo qual a ética protestante contribui para o capitalismo está no fato do é uma ética que valorizava muito o trabalho e o sucesso no trabalho, condenando a ideia de se buscar prazer ou benefícios pessoais no trabalho ou nos resultados do trabalho, de modo que incentiva os capitalistas a reinvestirem o capital acumulado.

O trabalho seria, neste caso, um caminho de ascensão espiritual e uma maneira de glorificar Deus.

Segundo Weber, esses valores a respeito do trabalho acabaram impulsionando as sociedades a se organizarem de maneira mais racional ou em instituições organizadas mais racionalmente, nas quais as ações são orientadas por regras a serem cumpridas, e realizadas com sentimento de dever a cumprir, e não por impulsos irracionais ou sentimentais, em busca de prazer, satisfação ou outras coisas de interesse apenas privado.

sumário↑

Foi por essa via, então, que foram se organizando as empresas privadas no Capitalismo: embora em última análise sirvam ao interesse privado, foram se organizando como se devessem funcionar de maneira mais racional e burocrática. Só mais tarde é que esse modo racional de organizar o trabalho se mostrou adequado e útil para os interesses privados das empresas, que se ligam ao lucro crescente.

Evidentemente, isso serve para explicar também as instituições organizacionais de interesse público, que se estruturam em torno de leis e normas de funcionamento e com base em cargos e funções. É curioso notar, aliás, como Weber — que não deixa de sofrer uma certa influência de Karl Marx — coloca de certo modo a organização voltada para o interesse público (para o que é mais racional e que segue as mesmas regras comuns a todos) como modelo de bom funcionamento para a própria organização privada.

Assim, curiosamente, para seu bom funcionamento, as organizações privadas de tipo capitalista devem sempre tentar evitar ser arrastadas por outros interesses privados além daquele único e mais geral que as dirige, que é o objetivo de lucro.

Por outro lado Weber, como Marx, considera de um modo geral superior aquela organização da sociedade e de suas instituições que é mais racionalmente planejada.

Todavia esta racionalização atingida a partir valores protestantes em relação ao trabalho seria, para Weber, apenas uma das várias razões que explicam o Capitalismo, conforme já vimos. Seria uma boa razão, importante porque explicaria muitas coisas a esse respeito, mas apenas uma entre várias outras razões.

Além disso, o próprio Weber diz, firmemente, que sempre seria possível explicar o Capitalismo de alguma outra maneira, diferente desta. Em outras palavras, diz que isso que ele mesmo julga ter descoberto não deve ser considerado como verdade absoluta e definitiva.

sumário↑

 

Weber também ressalta a limitação do conhecimento humano em sua sociologia?

Esse posicionamento que já mostramos em Weber, e que insiste na limitação do conhecimento humano, se mostra ainda mais radical quando Weber declara o que o sociólogo deve procurar quando examina uma sociedade.

Weber não é relativista, mas acha que o sociólogo não deve tentar encontrar os traços comuns entre sociedades diferentes. Não deve procurar de modo algum aquilo que sempre parece estar presente em toda e qualquer sociedade — como se fosse uma verdade absoluta e válida para todas as sociedades. Pelo contrário: deve procurar o que existe de diferente naquela sociedade que está estudando, Deve buscar aquelas características peculiares que são só dela, o que quer dizer que nosso conhecimento sobre uma sociedade vale só para essa sociedade, e o que vamos encontrar em outra sociedade será diferente.

sumário↑

Apesar disso, Weber reconhece que sempre que fazemos uma teoria, necessariamente usamos algumas noções ou conceitos gerais, que servem para explicar os casos particulares que estamos examinando. Seria muito difícil escapar disso, talvez até impossível, a menos que ficássemos apenas observando o que ocorre em uma sociedade e descrevendo essas ocorrências, sem fazermos nenhuma comparação com o que ocorre em outras sociedades.

Acontece que se ficarmos só observando e descrevendo as coisas não vamos conseguir encontrar as causas por detrás delas, aquilo que pode ter levado essas ocorrências a acontecerem, porque essas causas nem sempre aparecem à primeira vista. As teorias servem justamente para tentarmos explicar quais podem ser essas causas.

Como seria possível, então, fazer uma teoria para explicar as causas que podem ter levado as coisas a ocorrerem do modo como ocorrem especificamente em uma sociedade particular que estamos examinando?

Se não basta apenas observar e descrever, e é preciso ir atrás das causas daquilo que estamos observando, será que teremos que construir uma nova teoria inteirinha só para examinarmos cada sociedade que quisermos estudar? Será que vamos ter que trabalhar com razões e causas que só explicam essa sociedade em particular que estamos examinando no momento, e mais nenhuma outra?

Não. Weber encontra uma solução criativa para esse problema: encontra uma maneira de usar as próprias noções e conceitos gerais como ferramentas para entendermos cada sociedade particular, e cada fenômeno particular dentro de cada sociedade, com as suas condições específicas, sem as confundirmos umas com as outras.

Trata-se do método dos tipos ideais. Já falamos um pouco sobre ele, e ainda vamos retomar o assunto mais adiante.

sumário↑

 

Os tipos ideais de Weber são conceitos gerais que explicam tudo?

Os tipos ideais de Weber não são conceitos gerais que explicam tudo: são exatamente o oposto disso. São um método para eliminar das teorias esses conceitos, substituindo-os por algo menos dogmático.

A maioria dos outros sociólogos procura sempre conceitos gerais que sirvam para explicar todas as sociedades (como por exemplo o conceito de luta de classes de Karl Marx, que seria válido para toda e qualquer sociedade).

Quando encontram os conceitos gerais que estavam procurando, esses sociólogos tendem a acreditar nesses conceitos como se eles exprimissem alguma espécie de verdade absoluta por detrás de todas as organizações e ocorrências sociais.

Max Weber, pelo contrário, prefere considerar esses conceitos apenas como tipos ideais, como conceitos criados artificialmente por nós apenas para nos ajudarem a entendermos aquilo que estamos estudando no momento.

Pelo método de Weber, muitas vezes podemos utilizar os mesmos tipos ideais no estudo de sociedades diferentes ou de fenômenos diferentes em uma mesma sociedade. Mas nem sempre: às vezes é preciso criar novos tipos para entendermos melhor aquilo que estamos estudando no momento.

Além disso, quando entendemos melhor de que maneira Weber utiliza esses tipos ideais (ou conceitos gerais) como parte do seu método de estudo, percebemos que realmente eles acabam servindo como ferramentas para entendermos melhor as particularidades de cada sociedade ou fenômeno social estudado, e não como verdades nas quais devamos acreditar.

sumário↑

 

Como funciona o método dos tipos ideais de Weber?

Como podemos ver, é para garantir que os sociólogos sempre se lembrem de que o conhecimento que podem conseguir é limitado, que Weber cria o seu famoso método dos tipos ideais.

O primeiro passo do método é criar os tais tipos ideais, sempre lembrando que são criações nossas, e não a própria realidade.

Como podemos criá-los? — Começando por onde muitos sociólogos começam quando procuram conceitos gerais para explicarem as coisas em todas as sociedades: pela observação e comparação das sociedades e dos fenômenos sociais, tanto em uma mesma sociedade quanto em diferentes sociedades.

Para estudar as origens das sociedades capitalistas atuais, por exemplo, Weber vai buscar no estudo de história o que ocorreu de diferente na época em que o capitalismo começa a se tornar dominante (isto é, no fim da Idade Média).

Ele observa a presença marcante de uma nova igreja nessa época, a dos protestantes, seguidores de Martinho Lutero. Examinando e comparando o pensamento dos protestantes em diferentes variações dessa Igreja, em diferentes épocas e em diferentes lugares, chega a um tipo ideal do protestante, a partir daquilo que parece estar sempre presente na mentalidade protestante em todas essas variações.

sumário↑

O tipo ideal do protestante é aquele que mostra como provavelmente seria um protestante "em estado puro", sem contaminação ou mistura com outras mentalidades. É importante notar que a palavra "ideal", aqui, não indica nada que seja necessariamente "bom": significa apenas algo que é criado na mente, uma ideia, e não um fato observado na própria realidade — mesmo que seja criado a partir de coisas que observamos na realidade.

Esse tipo ideal não existe de fato na realidade, e Weber sabe perfeitamente disso: no estudo das sociedades, o que encontramos realmente são pessoas de carne e osso que têm as suas próprias vidas e o seu próprio modo de pensar, e esse modo de pensar de cada uma delas é influenciado por diversos fatores que fizeram parte de sua formação.

Essas pessoas que se aproximam do tipo ideal do protestante, se aproximam dele apenas por causa de uma dessas várias influências, que é a do protestantismo. Então podemos dizer que cada pessoa se aproxima ou se distancia mais do tipo ideal do protestante.

Se criarmos algum outro tipo ideal para compararmos com essa mesma pessoa (por exemplo o tipo ideal do católico ou o do ateu), poderemos medir o quanto essa pessoa se aproxima mais de um desses tipos ou do outro. Poderemos então entender melhor a combinação de elementos que forma a mentalidade particular e específica dessa pessoa em relação a assuntos religiosos (já que os tipos ideias que criamos para compararmos com ela dizem respeito a esse tipo de assunto).

sumário↑

Depois, examinando as características do tipo ideal do protestante e comparando-as com as características do tipo ideal que descreve o que seria uma sociedade puramente capitalista, Weber conclui que os valores morais típicos de um protestante acabam combinando muito bem com o comportamento típico de quem vive bem ajustado em uma sociedade capitalista. Observa que esses valores protestantes na verdade até estimulam, e muito, o tipo de comportamento que melhor se ajusta ao capitalismo.

Finalmente, observando o quanto a mentalidade protestante se difundiu com o fim da Idade Média, e como foi se tornando forte e influente naquela época, até mesmo antes de muitas das principais transformações que foram acontecendo no campo econômico, Weber chega à conclusão de que a ética de tipo protestante pode ter sido uma das causas mais importantes do Capitalismo (ao contrário da tese de Karl Marx, que não dá tanto valor a esse fator e coloca os fatores econômicos no centro de tudo).

sumário↑

 

Weber acha importante examinar os valores morais das pessoas em uma sociedade?

Não é a toa que Weber vai procurar essa razão que ajuda a explicar o capitalismo justamente em um certo tipo de mentalidade moral. Os valores que uma pessoa segue sempre podem ser um fator muito importante na determinação do modo como essa pessoa se comporta. E segundo Weber, o que a Sociologia deve estudar é justamente o modo as pessoas orientam suas ações e relações na vida social.

Por isso é que, para entender o Capitalismo, ele procura examinar o comportamento social capitalista típico, isto é, o modo como as pessoas tendem a agir e se relacionar em uma sociedade capitalista. E vai procurar o que leva as pessoas a agirem e se relacionarem desse modo.

sumário↑

Mas é preciso compreender que, apesar de toda essa atenção dedicada aos valores humanos — que Weber provavelmente herdou de sua influência nietzscheana — o que está no foco de Weber, enquanto sociólogo, não são exatamente os valores seguidos pelas pessoas, e sim o modo como elas agem, e principalmente com base em quê elas orientam as suas ações. Muitas vezes as ações das pessoas são orientadas por valores morais. Mas nem sempre.

Existem então alguns tipos ideais de ação (criados por Weber) que os sociólogos pode encontrar em diferentes sociedades, e que podem ajudá-lo a examiná-las, a fim de entenderem, pela comparação com esses tipos ideais, o modo particular e único como cada pessoa orientasuas ações na sua vida em sociedade.

A esta altura já conhecemos suficientemente o pensamento de Weber para sabermos, também, que esses tipos ideais de ação — que vamos examinar logo mais adiante, nos próximos tópicos — não são necessariamente os únicos possíveis nem são necessariamente os melhores com os quais um sociólogo pode trabalhar. São apenas uma ferramenta útil que Weber oferece aos outros sociólogos e estudiosos em geral, seus colegas de profissão.

sumário↑

 

O que Weber diz sobre as ações humanas e qual a importância delas nos estudos de sociologia?

Um dos pontos importantes da sociologia de Weber é a maneira como ele define o objeto de estudo dessa ciência.

Afinal de contas, o que é exatamente que a sociologia deve estudar?

Os sociólogos costumam dizer que estudam as sociedades e os fenômenos sociais. Mas o que significa estudar "as sociedades e os fenômenos sociais"? — Essa expressão é tão ampla, abrange tantas coisas diferentes em uma sociedade, que acaba sendo uma definição muito vaga e imprecisa: o fato de um ciclista, descendo por uma ladeira, acabar trombando com outro, por exemplo, acontece em uma sociedade e envolve algo que ocorre com dois membros dessa sociedade.

Essa trombada faz parte dos "fenômenos sociais" que um sociólogo deve estudar?

sumário↑

Segundo Max Weber, não. A Sociologia não deve estudar qualquer ação ou ocorrência que acontece dentro de uma sociedade ou com os seus membros. Ela deve estudar apenas as ações e relações sociais.

O fato de um membro de uma sociedade estar andando de bicicleta, segundo Weber, não é necessariamente o que se pode chamar de uma ação social desse ciclista, nem tampouco a trombada com outro ciclista pode ser considerada como uma relação social entre eles.

Segundo a teoria de Weber, a ação de uma pessoa só pode ser considerada uma ação social quando ela está orientada de acordo com alguma espécie de previsão das possíveis reações ou respostas de uma outra pessoa ou de outras pessoas.

Weber está interessado, portanto, no sentido, ou significado das ações, e só considera como ações sociais aquelas cujo sentido ou significado depende em alguma medida do modo como o agente imagina que as pessoas vão reagir ou responder a essa sua ação, ou do modo como ele constata que outras pessoas estão se comportando, de modo que a sua própria ação é uma resposta ou reação consciente a esse comportamento delas.

sumário↑

É claro que se deve lembrar que a própria noção de "ato social" não deixa de ser também, no fundo, um tipo ideal formulado por Weber. Um tipo ideal formulado para medir o quanto devemos ou não devemos considerar algum fenômeno ou ocorrência como objeto de estudo legítimo e válido para a Sociologia. Para Weber, as ocorrências ou fenômenos que mais se aproximam disso — que ele chama de "ações sociais" — são as que mais merecem a atenção dos sociólogos. Ações muito distantes disso não deveriam ser consideradas sociologicamente importantes para os estudiosos.

A ação de andar de bicicleta, neste caso, poderia ser considerada uma ação social se por exemplo o ciclista só anda de bicicleta e nunca de carro, como uma forma de protesto contra a poluição causada pelo uso excessivo de carros em sua sociedade, ou então se ele, por exemplo, anda de bicicleta como uma estratégia para evitar as dificuldades do trânsito causadas por esse uso excessivo.

Nestes dois casos que acabamos de mencionar no parágrafo acima, o sentido da ação de andar de bicicleta estaria ligado ao modo como outras pessoas se comportam. Seja porque o ciclista espera que as pessoas (assim como ele) tomem alguma atitude em relação à poluição, seja porque ele adota uma estratégia de ação específica (a de se locomover de bicicleta, e não de carro) em função do comportamento das pessoas, que se aglomeram com seus carros nas ruas, parando o trânsito.

Nos dois casos, o ato de andar de bicicleta praticado por uma pessoa pode ser considerado claramente um ato social e faz parte dos comportamentos sociais que um sociólogo pode estudar.

Por outro lado, se o ciclista usa sua bicicleta apenas porque gosta, não importando o que as pessoas pensam ou fazem ao seu redor, o seu ato de andar de bicicleta não é de modo algum um ato social, e não serve como matéria de estudo para um sociólogo.

sumário↑

 

O conceito de "ação social" de Weber é preciso, ou pode apresentar ambiguidades?

Como se pode imaginar, esses conceitos (de ato social ou não-social) são bastante fluidos e às vezes podem se mostrar bastante ambíguos. Com base apenas nisso, pode ser difícil para um sociólogo decidir se vale a pena ou não estudar certos comportamentos difíceis de definir nesses termos.

Por exemplo, se o ciclista anda de bicicleta apenas porque, devido ao trânsito, é a maneira mais rápida de chegar ao seu destino, mas nem lhe passa pela cabeça que há pessoas no trânsito e que o trânsito parado só existe por causa do comportamento delas; se para ele os engarrafamentos de trânsito não passam de uma barreira a ser evitada (assim como um barranco que não pode ser descido de carro, ou uma parede), será que não podemos entender seu ato de andar de bicicleta como um ato não-social?

Afinal, para ele a única coisa que está interessando neste caso são as condições físicas do caminho, que facilitam ou dificultam a locomoção de carro! É por causa dessas condições que ele decide andar de bicicleta, e não em função do comportamento das pessoas que dirigem carros. Para ele, neste caso, parece importar apenas o fato de haver carros acumulados ali, nas ruas do caminho, sem espaço para a passagem do seu próprio carro.

sumário↑

E se o ciclista anda de bicicleta porque foi educado nesse sentido, porque é por exemplo um hábito de sua família, e o seu próprio gosto pessoal por andar de bicicleta no fundo não passa de uma resposta a essa formação (uma resposta do tipo sim, também participo desse gosto da família por andar de bicicleta), então será que não se de uma ação social? — Afinal, o que dá sentido ao seu ato de andar de bicicleta, o que orienta essa sua ação neste caso, é o modo como s comportam os seus familiares, não é?

Essas possíveis ambiguidades geram para o sociólogo a necessidade de medir com um pouco mais de precisão o quanto uma ação que está examinando é ou não é de caráter social, e realmente digna de exame sociológico. Como Weber estabelece essa medida um pouco mais precisa? Como consegue determinar o quanto um ato pode ser considerado como ato social ou não pode?

Weber consegue essa medida usando sua teoria dos tipos ideais.

Ele estabelece quatro tipos diferentes de ação social, separando-os de acordo com aquilo que orienta essas ações em cada um dos quatro casos. Isto é, de acordo com o sentido ou significado da ação, podemos dizer que ela se aproxima mais de um desses quatro tipos "puros" ou ideais que ele imagina ou de outro, sendo possíveis, nos atos reais que encontramos na sociedade, as mais variadas combinações entre esses tipos ideais.

sumário↑

 

Quais são os tipos ideais de ação formulados por Weber para medir o quanto uma ação é social ou não é?

Weber, como já mencionamos, formulou quatro tipos ideais de ação.

Cada um desses tipos ideais, por sua vez, está mais próximo ou mais distante do tipo ideal (mais geral) de uma "ação social".Eles se sistribuem formando uma gradação, da ação mais social até a menos social.

Um desses quatro tipos ideais de ação está mais próximo do tipo geral de um "ato social", e as ações que se aproximam mais dele, então, também são as que se aproximam mais de serem "atos sociais". As que se aproximam mais do tipo mais distante, pelo contrário, também estão mais distantes de serem um "ato social".

É deste modo que o conjunto dos quatro tipos de ação acaba servindo para Weber como uma maneira de medir o quanto as ações reais comparadas com eles são sociais ou não são.

sumário↑

Os quatro tipos ideais de ação (por ordem do que mais se aproxima de ser um "ato social" para o que menos se aproxima disso) são os seguintes:

  • ação racional orientada por objetivos - ação orientada por algum objetivo a ser realizado, em que para conseguir realizar esse objetivo, o agente "calcula" racionalmente como podem reagir as pessoas direta ou indiretamente envolvidas, ajustando o seu modo de agir de acordo com isso, para obter o resultado desejado;

  • ação racional orientada por valores - ação orientada pela crença consciente do agente em certos valores, que podem ser morais, religiosos, estéticos ou de qualquer outro tipo; neste caso, o agente procura agir de acordo com seus valores independentemente dos resultados de sua ação serem vantajosos ou não, mas suas ações continuam levando em consideração o modo como agem os outros, de modo que o agente pode, por exemplo, saber que sua ação produzirá reações desfavoráveis a ele, mas mesmo assim realizar essa ação da maneira como acha que deve ser realizada; segundo Weber, há mais chances de que esse tipo de ação deixe de ser social, dependendo do modo como é realizada, do que ocorre com o tipo de ação acima;

  • ação orientada por sentimentos ou emoções - as chances de este tipo de ação deixar de ser "social" são maiores ainda, pois o agente pode estar sendo movido por sentimentos que o levam a considerar o comportamento do outro, ou por sentimentos intensos que o fazem esquecer essa consideração, impulsionando-o a atos impensados;

  • ação orientada por tradições - está na fronteira das ações que podem ser consideradas sociais, e muitas vezes desliza para o lado de fora dessa fronteira, isto é, muitas vezes deixa de ser uma ação social, porque tende a ser uma ação realizada por pura imitação, e geralmente sem que o agente nem mesmo se dê conta de que está imitando o comportamento de outros; é o tipo mais comum de ação, e a encontramos cotidianamente em qualquer sociedade.

Uma relação social, para Weber, é uma relação que se estabelece quando os agentes envolvidos agem socialmente um em relação ao outro, isto é, quando cada um deles age de acordo com o que percebe ou imagina do modo como o outro se comporta.

sumário↑

 

Quais são os tipos ideais usados por Weber para examinar as formas de dominação em uma sociedade?

Segundo Weber, há três tipos ideais de dominação que um agente social pode exercer sobre outros. Ou em outras palavras, é possível imaginar três diferentes conceitos gerais que mostram formas possíveis de dominação, e que podem ajudar os sociólogos a entender como ocorrem as diferentes relações de poder entre os membros de uma sociedade.

Os três tipos ideais de dominação, formulados por Weber são:

  • dominação racional ou "burocrática"

  • dominação tradicional ou "patriarcal"

  • dominação carismática

 

A dominação, para Weber, depende daquilo pelo que as pessoas se deixam dominar, do tipo de poder a que aceitam obedecer. Cada um desses tipos de dominação, então, tem o seu tipo de líder (quem domina) e de organização por ele liderada (formada por aqueles que estão sob seu domínio).

sumário↑

 

Como é o tipo racional de dominação segundo Weber?

Na dominação racional, o que ocorre na verdade é uma obediência a regras, normas ou leis impessoais, que são aceitas como racionais por exemplo em vista de certos fins ou objetivos gerais, ou em vista da manutenção e desenvolvimento de certas estruturas organizacionais.

A obediência às normas tende a assumir o perfil de uma obrigação contratual, e o trabalho, em tais sociedades, tende a ser assalariado. O líder é obedecido por (e na medida em que) representar essas regras, normas ou leis, como responsável pelo seu cumprimento. O fato de representar bem esse papel, assumindo corretamente e de maneira eficaz a responsabilidade pelo cumprimento das normas, é o que dá legitimidade (validez) ao poder do líder. O quadro administrativo também tende a ser formado por pessoas que demonstram o que se considera como os requisitos de competência necessários para o cumprimento eficaz de seus papéis nesse quadro.

Weber aprofunda bastante o exame de sociedades ou organizações em que predomina esse tipo ideal de dominação. Segundo ele, as estruturas organizacionais que derivam da dominação de tipo ideal costumam ser burocráticas, focadas em escritórios. Nesses escritórios as tarefas são realizadas por funcionários que tendem a exercer suas funções na organização separando-as de sua vida pessoal e privada e de suas emoções íntimas, como se fossem duas faces separadas de si mesmo, uma pessoal, íntima e privada, a outra funcional.

sumário↑

Acompanha também essa separação a ideia de que há uma esfera pública geral que não se confunde a esfera dos bens e interesses privados, de modo que os bens públicos não são vistos como propriedades de quem quer que seja. Mas mesmo em organizações privadas, essa separação também é feita. Os funcionários e até mesmo os proprietários da organização procuram evitar que suas atividades ligadas a ela se confundam com sua vida íntima, pessoal, particular e familiar, que representa um espaço "mais realmente privado" do que este da empresa (ou qualquer que seja o tipo de organização).

No espaço da empresa, cada pessoa lida com outras pessoas considerando-as apenas como "profissionais", e não como pessoas cada uma com seus próprios problemas e interesses particulares.

O ponto mais forte desse tipo de organização está, justamente, nessa racionalidade, que a torna mais eficaz. As ações da sociedade ou organização institucional que funciona assim (e também as principais ações de seus membros, dentro dela) acabam seguindo, por exemplo, um certo padrão regular e, sendo sempre mais ou menos parecidas e previsíveis, podem ser melhor avaliadas e corrigidas ou aperfeiçoadas, coisa difícil quando as pessoas envolvem muitos sentimentos e questões íntimas naquilo que fazem, deixando as ações irregulares e imprevisíveis, às vezes eficazes, às vezes não.

sumário↑

Quando as ações são regulares e apresentam sempre mais ou menos o mesmo nível de eficácia, é possível pensar com clareza em meios para melhorá-las e torná-las mais eficazes. Além disso, essa regularidade das ações de uma sociedade ou instituição que se organiza assim, considerada como um todo, e também a regularidade das ações das pessoas que fazem parte dela, acabam permitindo previsões melhores a respeito dos resultados dessas ações, o que permite melhor planejamento.

O grande ponto fraco desse tipo de dominação, por outro lado, está no fato de que as pessoas tendem a agir mais desapaixonadamente, sem sentimento, com maior frieza, e isso faz diminuir drasticamente o grau de interesse e participação espontânea das pessoas nas atividades necessárias.

A falta de interesse e participação espontânea acaba servindo de contrapeso, às vezes grave, à tal eficácia de que essa forma de dominação tende pode se aproximar pela regularidade das ações, porque as pessoas tendem a agir apenas mecanicamente, sem empenho e dedicação, sem vontade.

Isso ajudaria a explicar, de um ponto de vista weberiano, a maior eficácia que em muitos países e em diferentes campos de trabalho, as empresas capitalistas acabam conseguindo atingir, em relação a instituições organizacionais de interesse público.

É que embora a racionalidade e as leis e regras comuns a todos (públicas) ajudem a tornar as ações mais eficazes mesmo nas empresas privadas, por outro lado quando todo um setor de atividades está concentrado apenas sob o controle do Estado, a burocracia (que segundo Weber tende a ser sempre regrada e racional, coisa que poderíamos questionar) espalha para todos os funcionários envolvidos, nas diversas instituições estatais desse setor, a mesma falta de interesse pessoal, de empenho e dedicação ao trabalho. Isso porque sentem maior atração pela sua vida privada, que está desligada dessas atividades.

sumário↑

Em sentido oposto, quando o mesmo setor de atividades, ao invés de estar estatizado, está dividido por inúmeras empresas privadas, o interesse privado de cada uma delas (em lucro) tende a forçar um maior empenho de seus trabalhadores. Ou no melhor dos casos, a estimula esse empenho de diversas maneiras, vinculando a qualidade e a eficácia das atividades ao empenho "apaixonado" ou à dedicação do trabalhador, procurando faze com que ele "vista a camisa" da empresa — como se costuma dizer no Brasil.

Assim, vemos nas organizações privadas uma certa contradição ente a dominação racional e o estímulo a sentimentos irracionais.

Mesmo com esse grave ponto fraco, que é a tendência para o desestímulo emocional das pessoas envolvidas, que chega ao ponto de precisa ser corrigido por pressões ou estímulos extras, como ocorre no setor privado, Weber parece mais favorável a esse tipo de dominação — racional ou "burocrática" — do que aos outros dois.

sumário↑

 

Como é o tipo tradicional de dominação segundo Weber?

Na dominação tradicional, são obedecidos costumes, hábitos coletivos, e principalmente antigas tradições às quais se dá grande importância, frequentemente consideradas como algo sagrado.

Essas tradições passam a ter o peso de leis. A obediência se apoia na fidelidade às tradições ou na fé com relação à santidade das mesmas, e a responsabilidade pela preservação dessa fidelidade ou dessa fé é atribuída à educação.

O líder é obedecido na medida em que sua imagem e suas ações condizem com essas tradições, e sobretudo na medida em que seja ele próprio, além disso, o responsável pelo cultivo e conservação dessas tradições. Não é visto como aquele que está na posição de "superior" em uma estrutura hierárquica, mas como um "senhor" ou "soberano" que lidera pessoalmente (e não em função de uma posição hierárquica em uma estrutura da qual apenas faz parte como todos os outros). Aqueles que lhe devem obediência já não são considerados "funcionários", cujo papel seria desempenhar alguma função em uma estrutura organizacional: na dominação tradicional, são considerados como "servidores", que devem juntos servir ao senhor ou soberano no interesse da conservação das tradições.

sumário↑

Neste tipo de dominação, as relações no quadro administrativo e o posicionamento hierárquico de seus membros não são determinados pelo dever objetivo que se atribui ao cargo, mas pela fidelidade pessoal que apresentam ao líder e às tradições por ele representadas.

Os traços da personalidade do líder tendem a se confundir com as próprias características da tradição dominante, ou a corresponder intimamente com elas. A obediência (e com ela o poder) se dividem entre e as tradições diretamente consideradas a pessoa do líder que as representa. As resistências ao líder tendem a aparecer apenas na medida em que ele pareça desviar-se das tradições e deixar de representá-las, mas nunca se dirigem contra as próprias tradições.

O ponto forte desse tipo de dominação é que as pessoas participam bem mais ativamente das atividades de interesse público, sem precisarem ser forçadas ou estimuladas de algum modo a isso, embora não seja sempre uma participação apaixonada e superentusiasmada. As pessoas participam seguindo hábitos, mas que estão claramente ligados a sentimentos, crenças etc., e não a simples gestos mecânicos que elas se acostumam a fazer em função de certas regras.

sumário↑

O ponto fraco está no fato de que organizações desse tipo têm enorme dificuldade para realizar grandes mudanças, e quando se torna necessário para o líder tomar alguma decisão ou medida urgente que escape às tradições, ele terá sempre muita resistência a enfrentar.

Tudo o que foge às tradições e costumes, em uma organização assim, tende a ser rejeitado pelas pessoas em geral, que não apenas deixam de dar seu apoio ao que precisa se feito de diferente, como podem boicotar as mudanças ou atitudes diferentes que se fazem necessárias, protestando e agindo contra essas mudanças ou atitudes diferentes propostas pelo líder.

 

Como é o tipo carismático de dominação segundo Weber?

Na dominação carismática, o líder é considerado como uma pessoa dotada de qualidades extraordinárias, fora do normal, que pode ser interpretada muitas vezes como alguma espécie de poder mágico ou sobrenatural, ou sobre-humano de algum modo, ou então como se o líder representasse alguma força desse tipo.

O líder carismático frequentemente tende a ser visto como uma espécie de herói. Seu domínio depende da confiança que depositam nele e por suas qualidades superiores. Mas a liderança pode ser atribuída a uma pessoa genuinamente carismática, que realmente parece ter qualidades superiores, ou não.

O que importa é que o líder, mesmo que não seja genuinamente carismático, seja "reconhecido" como carismático pelos seus dominados, isto é, aceito como se fosse por aqueles a quem é cobrado que o reconheçam como líder carismático. Psicologicamente, esse reconhecimento é "uma entrega plenamente pessoal e cheia de fé, surgida do entusiasmo ou da indigência e da esperança" (WEBER, Economia y sociedad. Mexico: fondo de Cultura Económica, 1969, vol I, p. 194).

Entre os principais pontos fracos desse tipo de dominação está o seguinte: o poder carismático pode se dissipar na medida em que o líder pareça abandonado pelos poderes aos quais antes parecia representar (por exemplo forças sobrenaturais, que em certas sociedades são atribuídas ao líder e lhe dão esse "carisma"), ou na medida em que ele pareça ter perdido suas qualidades mágicas ou heroicas. Isso significa que tende a ser uma liderança bastante vulnerável aos fracassos.

O carisma tende a dissipar-se principalmente quando sua liderança não traz bem estar ou ao menos esperança aos liderados.

sumário↑

Por outro lado, um líder de extremo carisma pode cegar os seus liderados para esses problemas, e inclusive arrastá-los em uma direção que vai contra os próprios interesses deles - o que é outro problema desse tipo de dominação, pois carisma não é sinônimo de eficácia ou de estar com a razão quando se determina quais as ações a serem realizadas e como: o líder não é infalível, e inclusive não é invulnerável a corrupção só por ser carismático. Seu carisma pode, infelizmente, cegar as pessoas para isso. Perde-se o senso crítico em relação a um líder muito carismático, e por isso se torna difícil controlá-lo.

Além disso, no tipo ideal da "dominação carismática", o quadro administrativo é formado por pessoas de confiança do líder ou por aquelas que demonstram maior inspiração ou fidelidade a ele, e não há qualquer garantia de estabilidade desse quadro administrativo para além de mera vontade do líder de manter nele as mesmas pessoas.

Essas pessoas (do quadro administrativo) exercem suas atividades com o sentido missão a ser cumprida, ou de participação no cumprimento de uma missão importante atribuída e elas pessoalmente pelo líder.

sumário↑

Essa fidelidade à missão pode ser também um fator de seleção da pessoa pelo líder para o desempenho de algum papel no quadro administrativo. Não há normas nem o sentido de "competência", e as tarefas não são cumpridas em troca por salário ou soldo. Os que devem obediência ao líder são considerados seus "seguidores" ou "discípulos", tendem, principalmente no caso dos membros do quadro administrativo, a viver com ele em uma comunidade formada por laços de amor ou camaradagem (e pela admiração comum a esse líder), e costumam ser sustentados por pessoas ricas, que são simpatizantes de sua "causa" ou "missão", ou que estão também sob o fascínio ou domínio do carisma do líder.

Também não há propriamente hierarquia, e o líder pode a qualquer momento exercer seu comando diretamente sobre qualquer um, não importando o quanto a pessoa esteja próxima ou distante do quadro administrativo e, nesse quadro, do centro do poder. Só há normas quando são ditadas pelo líder na forma de "mandamentos" criados ou revelados por ele, e que estariam de algum modo ligados ao sentido da missão que o líder representa ou que ele atribui aos seus seguidores. E esses mandamentos podem ser desfeitos pelo próprio líder a qualquer momento.

sumário↑

As dominações racional e tradicional são cotidianas e regidas por normas ou por costumes e tradições, já a carismática subverte esse sentido de cotidiano — e por isso mesmo tende a aparecer tipicamente em períodos revolucionários, embora não necessariamente, e tende a surgir acima de tudo como ruptura das formas de dominação tradicionais.

A dominação carismática também tende a desprezar e rejeitar os cuidados de cada dia com a economia e o cálculo de custos e benefícios, que são típicos principalmente das organizações de dominação racional - outro ponto fraco. O sustento dessas formas de organização carismáticas por simpatizantes ricos pode tomar a forma de doações, fundações de apoio, subornos e propinas etc. Mas além disso, as organizações movidas por esse tipo de dominação podem encontrar seu sustento também na mendicância, na apropriação de bens alheios ou na extorsão violenta ou formal e pacífica.

Os únicos pontos positivos desse tipo de dominação estariam, então, no seu potencial revolucionário - isto é, na sua capacidade de impulsionar grandes mudanças — e na sua agilidade quando se trata de lidar com situações novas e imprevistas. Mas é, segundo Weber, um péssimo modelo de organização para se manter as coisas em bom funcionamento quando se trata das atividades normais e cotidianas. Segundo Weber, este é, de um modo geral, o pior dos três tipos de dominação.

sumário↑

 

Os tipos ideais de dominação formulados por Weber não são reais?

Se você já leu atentamente o que foi dito até aqui, já sabe a resposta para a pergunta que serve de título a este útlimo tópico.

Mas vale lembrar e reforçar, ainda uma última vez, que todos os três tipos de dominação descritos por Weber são apenas tipos ideais, e não realidades.

Segundo Weber, a realidade apresenta as mais variadas formas de organização e dominação, combinando das mais variadas maneiras esses três tipos. Ela é sempre é mais complexa do que qualquer "tipo ideal". Destarte, esses tipos são propostos por Weber apenas para nos ajudar a entender a realidade comparando-a com eles. Assim podemos examinar até que ponto uma sociedade ou instituição organizada tem traços característicos de cada um desses "tipos ideais", e quais traços de cada tipo ela tem.

Essa teoria dos tipos de dominação são um excelente exemplo de como o uso de formulações imaginárias, puramente ideais pode no entando ser bastante útil na compreensão da realidade.

A teoria dos tipos de dominação de Weber tem bastante influência na história das teorias do gerenciamento e da administração, um campo em que o pensamento está bastante voltado para a busca de efeitos práticos eficazes em sua aplicação.

sumário↑

 

 

 

rodapé