Quendisse

<<  Link para o Blog QuemDissse - Reflexões pessoais sobre diversos temas, e comentários sobre assuntos do momento. Inaugurado 25 de Julho de 2013.

 

Fórum Bocas

Link para o Fórum Bocas - Espaço para discussão do Projeto Quem comigo (João Borba, autor do Projeto Quem) e com outras pesssoas. (Bem-vindo ao Fórum "BOCAS" - pré-inauguração para testes... mas você já pode visitar e até se registrar como usuário! 16/11/2014 >>


Já viu um cão que dá de cara com um osso de medula?
Trata-se, como diz Platão no Livro II da República, do animal mais filosófico do mundo.
Se viu, deve ter notado com que devoção ele olha esse osso, com que cuidado o guarda, com que fervor o segura, com que prudência o rói, com que afeição o quebra, com que diligência o chupa. O que o induz a isso? Que espera do seu esforço? Que bem pretende?
Nada mais do que um pouco de tutano. É verdade que esse pouco é mais delicioso do que muito de todos os outros...

RABELAIS, François. Gargantua.
Prólogo do autor

Construir-se, tomar forma, exige tutano... e ele não está só nos livros. Não basta lamber palavras. É preciso romper a casca delas e ir à massa do mundo. Depois ir além, até os ossos, até a estrutura lá no fundo dessa massa. Roer a linguagem das próprias coisas que estão aí no mundo objetivo e concreto. Mastigar, romper essa linguagem, até chegar à medula, e engolir o tutano das coisas, pedaço por pedaço. Finalmente, ruminar tudo isso... como os touros.
Para fazer o caminho e chegar ao tutano das coisas, é preciso estar bem atento. Estão aí ao nosso redor. São coisas materiais (ou resistentes em geral) e os contextos formados por elas. Coisas que incluem também os seus nomes, imagens, movimentos e sons.
Todas essas "coisas" são objetos de cena, pedaços do cenário, dos quais vamos nos apropriando para nossa construção de personagem — e essa construção inclui os personagens sociais e coletivos, que fazem parte do nosso e dos quais nós também fazemos parte.
Nossa existência no mundo não passa, ao fim das contas, de teatro. Agarremos então tais pedaços com tenacidade, nos nossos caninos... porque são tudo o que temos. São o mundo objetivo que atravessamos no diálogo com o resto do "elenco", no nosso drama da vida — caminham junto conosco o público, a crítica... e o staff de fantasmas históricos que sussurram nossas "deixas" nas cochias dos livros.

João Borba


voltar↑

 

O que é um personagem no teatro da vida? — Só uma vontade resultante. Personalizada porque resultante de um jogo de vontades específico. Um jogo tem seu campo de padrões, tem suas regras (seu programa). Mas um personagem vivo tem também a sua história, seu sentido que vai se construindo, conforme as microvontades das quais é vontade resultante vão reformulando suas regras e padrões, se reprogramando no conjunto, redirecionando o sentido... suas programações não se fixam, são líquidas porque é sempre capaz de romper um programa. Rompe o seu próprio, e se altera. Por isso é que é vivo. Agressivo? Como interage com os outros, ao se alterar os altera, ao alterá-los se altera. Isto é sexy.
A autoconstrução é lúdica, ultrajante, lúbrica e zangada.

Anomallly Extripper
(jovem desconhecida da Net)
O avatar, pelo menos, era feminino . O post original foi apagado. Perguntei antes se podia usar.
A resposta foi 
Free use & abuse 4u  '-)  — então copiei. A linguagem original combinava inglês com palavras
de outras línguas e termos da Net. Quase um código. A tradução pode não estar precisa

...especialmente a da última palavra, "zingmadbad".


voltar↑

 

Olhos do João Borba (sob óculos)

Bem vindo ao site do Projeto Quem!

O Projeto Quem é algo maior que um conjunto de espaços na internet. É um projeto de vida pessoal, que se coloca ao mesmo tempo como um experimento comigo mesmo, e como uma proposta para outros. Destarte oferece a público uma experiência pessoal de autoconstrução filosófica, na expectativa de que possam tirar proveito dela, individualmente ou coletivamente. Muitas coisas estão sendo repensadas neste projeto, depois de certos contatos com certas pessoas. Não exatamente uma mudança de rumo, mas um aprofundamento que dá um sentido diferente à coisa toda. Propositalmente contraditório talvez... como provocação. Mas isto ainda está em processo de lenta digestão, de reflexão, e ainda não alterei o texto do link que dá continuação a este trecho; por enquanto, ele ainda vale do modo como está. Este site de mesmo nome do projeto ainda é o útero, e de certo modo o coração desse projeto...

 

 

O PROJETO QUEM - Carta de Abertura

João Borba - Janeiro de 2013

 

O que é o site ProjetoQuem? 

 

Basicamente, é o próprio processo de formação de um estudioso de filosofia, que vai sendo transformado em enciclopédia e exposto na internet...

...com seus sentimentos e posições em relação aos assuntos estudados, suas preocupações didáticas enquanto professor, procurando ao mesmo tempo educar e não manipular ou meramente "fazer a cabeça" do leitor (mas também com seu reconhecimento de que no fundo, apesar dos esforços de educadores, essa neutralidade não existe, de modo que iludir quanto a ela pode ser ainda mais enganador — e com sua decorrente decisão de assumir então, explícita e eticamente, suas posições e sua responsabilidade pelos posicionamentos assumidos), expondo além disso e no mesmo "bolo", no mesmo movimento, seus diálogos intelectuais com amigos, colegas e conhecidos, e até mesmo seus rascunhos...

 

Leia mais sobre a proposta do Projeto Quem...

 

voltar↑


 

 SPQ0001_CarinhosoLobisomem
(clique neste link para ver o vídeo no Daily Motion,
ou na imagem abaixo para vê-lo no Vimeo )

 

vídeo Carinhoso Lobisomem

 

Clipe inaugural da série Sinapses do Projeto Quem (SPQ), dedicada a estudos, provocações e minicursos em filosofia na internet. O clipe foi criado já como uma primeira provocação, para instigar reflexões de interesse filosófico.  É também, ao mesmo tempo, videoclipe de minha composição "O carinhoso lobisomem" (trilha sonora da série) e, dividido em duas partes, será utilizado como vinheta de abertura e de encerramento de cada vídeo das Sinapses do Projeto Quem.


 

 SPQ0002_Casulo de Caramujo
(clique neste link para ver o vídeo no Vimeo)

 

vídeo Casulo de Caramujo

 

Este vídeo é uma provocação para a reflexão. Trata-se de um curto desenho animado com o tema "sublimação", pensado a partir de Freud, Lacan e dos anarquistas Max Stirner, Otto Gross e Antonin Artaud. A trilha sonora (também de minha autoria) é a versão instrumental da música que registrei com o título Carinhoso Lobisomem.

 


 

voltar↑

 

rodapé